MIRANTE 1

Apenas um grande caderno de notas. Um mirante de onde eu olho tudo e qualquer coisa e bato nas teclas pra registrar.

MJ – Em todos os lugares…

Que o Michael Jackson é rei, todo mundo sabe. E procurando bem rapidinho na internet você deve achar de tudo sobre a sua polêmica vida.

Eis que ano passado, eu saía do meu trabalho lá na Praça da República e por algum motivo tive que ir a pé até o Vale do Anhangabaú pra resolver alguns pepinos da faculdade no cartório.

E uma roda estava formada. Haviam muitos artistas de rua naquele fim de tarde disputando alguns trocados ou alguma atenção.

Só que essa roda de gente, especificamente, estava bem mais volumosa do que as outras. Chegando perto, percebi uma batida inconfundível. Um rapazinho de – penso – nove anos de idade imitava os também inconfundíveis passos e trejeitos de MJ.

Tudo bem, parei, olhei uns 30 segundos e toquei minha estressante tarde. Só que a batida continuou coçando em algum lugar do meu cérebro.

Foi quando eu entrei na estação de trem lotado da linha vermelha que me dei conta, “DANE-SE”. E encontrei na playlist do celular a bendita batida que me ajudou a relaxar no lugar mais improvável, a estação do Anhangabaú, do metrô de São Paulo às 17h40. (!)

E como não fazê-lo? Sente só a batida.

Logo abstraí da situação toda e fiquei hipnotizado pelo som. Daí, me dei conta de uma coisa. Qualquer uma daquelas pessoas apertadas no vagão de metrô saberia dizer quem é Michael Jackson. Hoje, aqui em Aparecida de Goiânia, penso a mesma coisa. Até o lavrador mais simples sabe quem é MJ. Suas loucuras e vida conturbada à parte. Como diabos, em algumas batidas, letras, vocalizações e danças, um homem pode se imortalizar… não para uma ou duas, mas para bilhões (0_0), sim, bilhões de pessoas. Imagine se isso acontecesse contigo. (!!) A presença do cara entre nós, humanos, foi bizarra do início ao fim. E olha só, no vídeo abaixo, prisioneiros de uma penitenciária de segurança máxima passaram a receber como exercício, aulas de coreografia em cima das músicas dele e virou hit no Youtube. Logo após a sua morte, o coreógrafo de longa data do Michael, passou por lá e reparem no símbolo que eles desenham no final. “Epífano”

Mas foi só na morte dele que eu parei para prestar atenção nas suas letras. E a surpresa foi grande.

Skin head, dead head
Everybody gone bad
Situation, aggravation
Everybody, allegation

In the suite, on the news
Everybody, dog food
Bang bang, shock dead
Everybody’s gone mad

All I wanna say is that
They don’t really care about us
All I wanna say is that
They don’t really care about us

Beat me, hate me
You can never break me
Will me, thrill me
You can never kill me

Judge me, sue me
Everybody do me
Kick me, kike me
Don’t you black or white me

All I wanna say is that
They don’t really care about us
All I wanna say is that
They don’t really care about us

Tell me what has become of my life
I have a wife and two children who love me
I am the victim of police brutality, now

I’m tired of being the victim of hate
Your raping me of my pride. Oh, for God’s sake
I look to heaven to fulfill its prophecy
Set me free

Skinhead, deadhead
Everybody gone bad
Trepidation, speculation
Everybody, allegation

In the suite, on the news
Everybody, dog food
Black man, black mail
Throw the brother in jail

All I wanna say is that
They don’t really care about us
All I wanna say is that
They don’t really care about us

Tell me what has become of my rights
Am I invisible ‘cause you ignore me?
Your proclamation promised me free liberty, now

I’m tired of being the victim of shame
They’re throwing me in a class with a bad name
I can’t believe this is the land from which I came

You know I really do hate to say it
The government don’t wanna see
But if Roosevelt was living
He wouldn’t let this be, now

Skinhead, deadhead
Everybody gone bad
Situation, speculation
Everybody, litigation

Beat me, bash me
You can never trash me
Hit me, kick me
You can never get me

All I wanna say is that
They don’t really care about us
All I wanna say is that
They don’t really care about us

Some things in life they just don’t wanna see
But if Martin Luther was living
He wouldn’t let this be, now

Skin head, dead head
Everybody’s gone bad
Situation, segregation
Everybody, allegation

In the suite, on the news
Everybody, dog food
Kick me, kike me
Don’t you wrong or right me

All I wanna say is that
They don’t really care about us
(They keep me on fire)

All I wanna say is that
They don’t really care about us
(I’m there to remind you)

All I wanna say is that
They don’t really care about us
All I wanna say is that
They don’t really care about

All I wanna say is that
They don’t really care about
All I wanna say is that
They don’t really care about us

Pra terminar, uma parceria dele com o Slash que não sai nem a pau da minha playlist.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 29 de julho de 2011 por em Música e marcado , .
%d blogueiros gostam disto: