MIRANTE 1

Apenas um grande caderno de notas. Um mirante de onde eu olho tudo e qualquer coisa e bato nas teclas pra registrar.

2 coelhos com uma caixa d’água só

O certo é “matar 2 coelhos com uma cajadada só”. Manja? Mas aqui eles falam com uma caixa d’água. Vai entender…

Desde Tropa de Elite 2, um filme brasileiro não me impressionava tanto. Aliás, nem mesmo os últimos seis meses do que estava em cartaz me chamava tanto a atenção quanto 2 Coelhos. Talvez o Tintim (leia As Aventuras de Tintim! Por que ir ao cinema assistir?) e outro que estreia hoje, Milennium – Os homens que não amavam as mulheres (leia Um mistério, um jornalista ferrado e uma hacker problemática). Ah, tem também o ótimo Sherlock Holmes, Jogo das Sombras. 

Aliás, o filme tem algumas semelhanças com o Jogo das Sombras. O Guy Ritchie, diretor dos dois últimos filmes do detetive usa uma câmera chamada Phantom que captura 1000 quadros por segundo e gera imagens em super câmera lenta. Além disso, Ritchie normalmente traz um ritmo frenético e às vezes difícil de acompanhar na ação de seus filmes.

O Afonso Poyart trouxe algo parecido no 2 Coelhos. Essa é a sua estreia no cinema aberto. Antes disso, ele fez comerciais e curta metragens. A narrativa não é linear, ele vai e volta diversas vezes. O filme é como uma grande equação, ele vai desenhando várias incógnitas mas na última cena o arco se completa de forma brilhante.

Não se deixe enganar pelas cenas de videogame e de animação que aparecem no trailer. Eu torci o nariz quando as vi mas elas complementam a narrativa e não são recursos jogados no meio pra gente débil dizer “ó, que boooonito, filme brasileiro tá com efeito especial!”. Não, aliás, a grande carga de efeitos especiais – inclusive esse da cabeça se quadriculando – não são adereços, mas contribuem para a narrativa.

Em três ou quatro pontos do filme uma cena vai te fazer soltar um “nossa” ou “ô loco” com um ponto de exclamação gigantesco. Não se reprima, provavelmente a sala inteira fará a mesma coisa. Pelo menos, no dia em que eu e Mariana fomos assistir ao filme, a galera fez. Sem contar algumas grandes sacadas de humor que dão um bom respiro à ação desenfreada.

O mais irônico é que esse é um filme de ação, mas da mesma maneira que o protagonista Edgar (Fernando Alves Pinto) é meio bonachão, calmo na forma de falar e devagar, o filme em si traz uma crítica sobre o sistema político brasileiro da mesma maneira devagar, bonachona e divertida.

Algo também diferente é como o diretor capturou São Paulo. Nunca tinha a visto retratada dessa forma, bastante interessante. Esse é mais um exemplar de que talvez estejamos presenciando o renascimento do cinema brasileiro. Enfim, vá e assista 2 Coelhos.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: