MIRANTE 1

Apenas um grande caderno de notas. Um mirante de onde eu olho tudo e qualquer coisa e bato nas teclas pra registrar.

Quentin Tarantino cinquentão

tarantino01

Há exatos 50 anos, nascia em Knoxville, Tennessee, Quentin Jerome Tarantino. O queixudo cineasta bateu a quinta década de vida por cima.

O cinéfilo garoto trabalhava em uma locadora, enquanto treinava atuação. Entre 1986 e 1987 gastou U$ 5 mil para fazer “My Best Friend’s Birthday“, que conta a história de um cara que leva um pé na bunda da namorada e seu melhor amigo, vivido por Tarantino, vai causar tentando lhe dar o melhor aniversário de sua vida.

Mas o sucesso veio em 1992, com Reservoir Dogs (Cães de Aluguel), o filme é sensacional, os diálogos, takes, enquadramentos, personagens, sanguinolência e a não linearidade da história já mostram a genialidade dele e foi entitulado pela revista Empire como o Melhor Filme Independente de Todos os Tempos!

Dois anos depois veio uma – que eu considera – de suas maiores e melhores obras, Pulp Fiction. Infelizmente, eu demorei pra ver esse filme, só vi aos 23 anos. As atuações de Bruce Willis, Uma Thurman, Samuel L. Jackson e John Travolta estão demais! (Um adendo. Discutir qual é o seu filme favorito de Tarantino é quase como discutir time de futebol. Todo mundo tem o seu preferido e fica indignado pelo outro não concordar) “I dare you, I double dare you mothefucker!”.

Enfim, Pulp Fiction é o meu segundo filme na escala Tarantino.

Aqui eu só vou falar dos que ele dirigiu e chefiou quase todo o processo de feitura. Mas as participações dele são demais também e são muitas. Deixo aqui o registro de Um Drink no Inferno, escrito por ele e dirigido pelo seu amigo e igualmente engraçadão Robert Rodriguez. O filme é engraçadamente toscão e tem o George Clooney, mas te dou duas palavras pra você assistir ao filme, Salma Hayek.

Voltando…

Em 1997, ele lança Jackie Brown, uma adaptação do livro Rum Punch. (Esse tá pausado no meu Netflix, preciso lembrar de retomar ;p)

Seis anos depois (em 2003), ele se consagra no mainstream como diretor “cult” e deslumbra os futuros hipsters da Rua Augusta e do mundo com Kill Bill. E realmente ele mostra como é bom enquanto roteirista e contador de histórias. Kill Bill poderia muito bem ser uma graphic novel ou um romance. A narrativa era tão boa, que ele teve que dividir em dois volumes. ~Você que lê este infame blog provavelmente já deve ter assistido~ Kill Bill mais uma vez ilumina Uma Thurman como protagonista e mistura vingança, artes marciais, bang bang italiano e sanguinolência maravilhosa e poética!

Em 2009 veio meu número Uno! na escala Tarantino de minha preferência.

Inglorious Basterds (Bastardos Inglórios). Essa é uma obra prima cinematográfica! O filme conta a história alternativa da II Guerra Mundial com um grupo de extermínio estadunidense fanfarrão que se infiltra na Alemanha pra matar nazistas. É demais. O Brad Pitt está muito bom – e engraçado no filme – Michael Fassbender, Diane Kruger… mas a cereja do bolo é o ator astríaco Christoph Waltz – que merecidamente ganhou o Oscar pelo papel do poliglota e divertido Col. Hans Lanza. (Um dia eu faço um post só sobre esse filme)

Seu último trabalho é Django Unchained (Django Livre), que conta a história de um escravo procurando pela sua esposa enquanto vira um caçador de recompensas f**dão e badass no sul dos EUA. Divertidíssimo, Leonardo DiCaprio, Samuel L. Jackson, Jamie Foxx e mais uma vez Christoph Waltz proporcionam um ótimo entretenimento cinematográfico.

 

Parabéns, Tarantino.

info-mundo-tarantino1

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 27 de março de 2013 por em Cinema, Cultura in(útil) e marcado , .
%d blogueiros gostam disto: